Exposição de Júlio Resende no MIEC

Por Rita Almeida / Sexta-feira, 08 de Dezembro de 2017 / Publicado na categoria Notícias, Regional

“O tempo e as formas – Júlio Resende, anos 50” é o nome da exposição inaugurada ontem no Museu Internacional Escultura Contemporânea como forma de festejar o centenário do Nascimento do pintor.

As obras presentes nesta exposição remetem-nos para a década de cinquenta do século XX com referências a preto e branco enfatizando a harmonização do real com o abstrato, tal como descreve Vítor Costa, presidente do conselho de administração da Fundação Júlio Resende.

“Qual era o contexto em que ele queria integrar isto. O Resende sendo ele figurativo, ele procura aqui obras no período em que o Resende estava dentro do espírito de grande informação europeia de informalismo. E portante, há forma que se percebem que são figurativas mas parece que não são. Isto hoje estudado diz por onde é que o artista andou. A linha decorativa do decorador é essa mesma e foi inteligente”.

Vítor Costa explica, ainda, a ligação de Júlio Resende ao concelho de Santo Tirso.

“Há uma linha que leva o Resende para os lugares de memória da vida dele. Ele esteve no Alentejo, ele já esteve no Alentejo. Já estivemos em Estremoz mas queremos ir a Viana do Alentejo e a Évora porque foi mesmo em Viana do Alentejo onde ele esteve quando veio de Paris com a família. Aqui em Santo Tirso a ligação é na Póvoa do Varzim e deste lado tem. É que ele tem belíssimos trabalhos que estão aqui parte deles e que irão ser mostrados na Póvoa do Varzim, onde ele foi professor também”.

Tiago Araújo, vereador da cultura, fala sobre a importância desta exposição para o Concelho de Santo Tirso.

“Esta exposição é um marco importante para a cidade de Santo Tirso até porque é uma exposição do Júlio Resende, é a marca do centenário do nascimento de Júlio Resende, é uma parceria do município de Santo Tirso com a Fundação Júlio Resende e que traz mais uma exposição a este Museu Abade Pedrosa e ao Museu Internacional de Escultura Contemporânea, uma exposição de qualidade e de um artista amplamente reconhecido na sociedade portuguesa”.

Santo Tirso é cada vez mais um ponto de referência no mundo da arte ao receber estas exposições.

“Santo Tirso começa a ser um ponto de referencia exatamente por este tipo de exposições cá, seja a de Jorge Molder que está atualmente no Museu Internacional de Escultura, seja a da Fundação Júlio Resende que está aqui mo Museu Abade Pedrosa. É com exposições desta categoria, desta qualidade que Santo Tirso se afirma a nível nacional como capital da arte contemporânea”.

“O Tempo e as Formas” de Júlio Resende está em exposição no Museu Internacional de Escultura contemporânea até 24 de dezembro e tem entrada gratuita.

Partilhe
TOP